quinta-feira, 7 de abril de 2011

Até quando?

O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. Jesus, em João 10:10
A tragédia em Realengo/RJ, na manhã da quinta-feira 07/04/2011, com certeza, deixou-nos a todos entristecidos e perplexos. Crimes como este ocorrem frequentemente nos Estados Unidos, mas no Brasil, não.

Certamente, há muito a se apurar. Inúmeras possíveis motivações para o assassinato em massa já foram apontadas e algumas delas, até, já foram descartadas. Teria o assassino sido vítima de bulling? Seria um fundamentalista religioso? Estaria revoltado por ser portador de HIV? Psicótipo, doente mental, esquizóide?  Seria o crime premeditado uma vingança?

O comandante da operação policial não se considera apto a definir os porquês da tragédia, por hora. Nem eu vou me atrever a isso. Quero apenas externar a dor que sentimos e pedir aos irmãos que orem pelas famílias das vítimas, funcionários e alunos da Escola Municipal.

Além disso, quero, é claro, escrever para os filhos, inclusive para mim. 

Até quando permitiremos que o mal avance sobre a Terra e o diabo continue a estender os domínios do seu império das trevas até onde a Justiça do Reino de Deus deveria governar? Até quando o mundo criado terá que jazer no maligno e a humanidade continuará a ser roubada, morta e destruída pelo maldito sistema de governo de satanás, se Jesus já veio para tenhamos vida em abundância?

Talvez, Você esteja perplexo com minhas perguntas, agora. Não, não estou atribuindo culpa a Você, especificamente! Mas creio mesmo que somos nós, os que nos proclamamos filhos de Deus, os que estamos atrasando a restauração de todas as coisas àquilo que Deus planejou. Por isso, 'Até quando a criação terá que gemer com ardentes expectativas pela manifestação dos filhos de Deus?' é uma pergunta que só nós podemos e nós é que devemos responder.

Um dia desses, o Gutemberg nos levava a refletir sobre 1 João 3:8b: 'Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo'. Quais teriam sido as obras do diabo que Jesus viveu e morreu para desfazer? A primeira delas foi levar o Homem a pecar. A segunda, introduzir a morte na história da humanidade. E, no pacote, vieram todas as moléstias e estratégias que fazem parte do 'matar, roubar e destruir'.

Como Homem tentado e que nunca pecou, Jesus desfez a primeira obra do diabo; ao ressuscitar da morte, para nunca mais morrer, Ele desfez a segunda e, durante toda Sua vida na Terra, mostrou ter poder para desfazer qualquer outra obra do diabo. E a nós, Sua Igreja, delegou a autoridade para 'pisar serpentes e escorpiões e toda força do inimigo' (Lucas 10:19). Aliás, toda autoridade que Lhe foi conferida, transferiu a nós, Seu Corpo (Mateus 28:18), para que continuemos Sua missão, manifestando que as obras do diabo estão, realmente, desfeitas em nós. E assim, refletindo Sua glória em nós mesmos, transtornemos toda a Terra, mudando o governo das mãos do império das trevas para as mãos do Reino de Deus, que, hoje, são as nossas mãos...

Nenhuma obra do diabo pode impedir que a Igreja cumpra seu papel, porque a vitória de Jesus garante a nossa. Nenhuma obra do diabo pode impedir o Cristo de ser formado em nós, a menos que nos submetamos ao sistema antiCristo, seja na religião, na economia, na política, na comunicação, nas artes, nas ciências, na tecnologia ou em qualquer outra área. 

A distração dos filhos de Deus, sua falta de compromisso com o Reino de Deus e Sua Justiça, o acomodar-se a uma vida dominada pelo pecado e, que, portanto, alimenta a morte; o não se importar com o que o Pai se importa para vida pessoal de cada filho, de seus casamentos, profissões, empresas, ministérios... estes, sim, são fatores que têm impedido que nos manifestemos como Cristo e apliquemos à Terra a redenção que Jesus conquistou.

Podemos gastar mais algum tempo refletindo, tentando entender tudo isso e avaliando qual será nosso posicionamento a respeito... Enquanto isso, outros assassinatos em massa arrancarão nossas crianças de nós e a criação gritará em tsunamis, terremotos e outras catástrofes, diante da humanidade perplexa e ferida.

Minha oração é que este seja o momento do 'Basta!' e nos levantemos, arrependidos e dispostos a voltar para a Origem, deixando para trás o cativeiro que nos tem sido imposto pelo sistema antiCristo Que escolhamos o Reino de Deus e Sua Justiça como primazia em nossas vidas e nos comprometamos a viver para que o Reino de Deus se expanda através de nós e Seu Governo seja estabelecido em toda a Terra.

Por favor, se concorda com minha oração, não apenas diga 'Amém', mas viva o amém, produzindo 'frutos dignos de arrependimento', com quebrantamento, jejuns, intercessão, comunhão com o Pai, disposição de ser formado, conversão dos pais aos filhos e dos filhos aos pais, manifestação do fruto do Espírito, que é Amor; coragem para romper com os sofismas, paradigmas e fortalezas mentais que nos separam do Propósito Eterno de Deus; ousadia para fazer obras maiores que as que Jesus fez e intrepidez para levar o Evangelho do Reino, com sua vida, a todas as pessoas e Nações da Terra. Com determinação, diligência e disciplina. Com vida de adoração, 24 h, todo dia!

Jackeline Sarah
Escritora

Crédito da Imagem: © Zero Creatives/cultura/Corbis

₢ Todos os direitos reservados. O texto pode ser compartilhado, sem modificações, desde que citada a fonte. 


Licença Creative Commons
O trabalho Até quando? de Jackeline Sarah está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.compromissokandeya.blogspot.com.br.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em www.facebook.com/compromissokandeya.

Um comentário:

Juninho Bobu disse...

É. Já não vem mais a minha cabeça sobre pensar sobre o assunto. Hoje já me entristece pensar em pensar. Pensar no máximo enquanto caminha... pois a criação está gritando não pra ser jogada no lago de fogo (¬¬) e sim pra ser restaurada, já não aguenta mais.

É como se alguém tivesse gritando: SOCORRO, estou morrendo! e estivessemos olhando, pensando como fariamos, o que seria mais fácil fazer, se é perigoso ou não, se é o certo ou não. CHEGA disso! CHEGA MESMO!



Voltando a origem, andando!