terça-feira, 30 de março de 2010

QUE FAREIS AO FIM DISTO?

Estou lendo Jeremias. Algumas expressões de Deus para o profeta, muitas vezes em forma de queixa apaixonada, são impressionantes para mim. Mas, a expressão que me chamou a atenção agora foi esta:

Os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja; mas que fareis ao fim disto? (Jeremias 5:31)

E sabe por quê? Porque, embora esteja descrevendo a situação do povo de Israel naquela época pré-exílio, pode, muito bem, como sombra e figura, aplicar-se à nossa realidade hoje. E atinge a mim, em três níveis:

- Meu povo assim o deseja: o Senhor está falando de uma situação catastrófica no meio do povo, onde o adultério é livremente praticado e exaltado, como se fosse bom; e onde há ímpios no meio da congregação, armando ciladas; e onde os líderes engordam, brilham e não dão atenção aos necessitados, aos órfãos e às viúvas. E o Senhor enfatiza: meu povo assim o deseja. A falta de amor que há entre os filhos de Deus, hoje; a falta de amor dos filhos de Deus para com os necessitados, os órfãos e as viúvas; a realidade de líderes que cada vez mais fazem crescer sua imagem pessoal, seu ministério pessoal, suas posses pessoais; a aceitação do divórcio e de casamentos posteriores como algo legítimo; a presença de pessoas e estratégias ímpias de marketing e etc para "promover" não o Evangelho, mas a estrutura... tudo isso me faz pensar que a situação do povo de Deus, hoje, não é muito diferente daquela situação contemplada por Jeremias e pelo Senhor; e vejo que o povo está confortavelmente encaixado e encaixotado nas múltiplas visões para prosperar, ser vitorioso e coisas do gênero; e eu, como povo de Deus, sinto-me constrangida a confessar estes pecados como meus e clamar pela misericórdia do Senhor...

- os sacerdotes dominam pelas mãos deles: o tempo em que Deus defendera Moisés da rebelião de alguns já havia ficado muito longe; naqueles dias, os sacerdotes dominavam por suas próprias mãos; já não era a vida deles com o Senhor que lhes revestia de autoridade que, reconhecida pelo povo ou não, viria de Deus; mas eles mesmo instituíam-se a si mesmos e jactavam-se de suas posições de autoridade, de onde manipulavam o povo de Deus... Ai de nós, Senhor, porque a mesma coisa tem acontecido, hoje. Nas nossas idas e vindas, encontramos muitos filhos de Deus que não conseguem nem levantar as mãos, nem orar, nem exercitar a sua fé (muitos nem sabem fé em quê), se não lhe forem dados comandos diretos de seus líderes; muitos há que são incapazes de ouvir o Espírito do Senhor e tomar decisões que deem prazer ao Pai, mas apenas obedecem cegamente aos seus líderes... Ai, ai, ai de nós... Tudo isso sem mencionar que, hoje, todo filho de Deus é sacerdote e, embora nem todos tenham consciência disso, a arrogância e necessidade de controlar tem aparecido quando os crentes pensam que são melhores ou maiores que as demais pessoas e podem exercer controle sobre elas por suas próprias virtudes, em seu próprio nome, com suas próprias mãos... Sim: ai, ai, ai, de mim, que sou sacerdote do Rei!

- profetas profetizam falsamente: quero cair agora com o rosto em terra e pedir ao Meu Senhor que nunca me deixe, como profeta, e a nós, como ministério profético, dizer que Ele disse algo que não tenha dito. Se isso ocorria naquele tempo, em que os profetas diziam "Paz! Paz!" quando o Espírito do Senhor falava de guerras, também, acontece, hoje, quando tudo o que se diz ou se pede, às pessoas, é feito em nome de Jesus. Fico intrigada com isso: Igreja, levante-se em Nome de Jesus, sente-se, em Nome de Jesus; compre este livro, em Nome de Jesus... e por aí vai. Misericórdia, Senhor! Usa-se a procuração do Nome mais excelso e poderoso que há na Terra de forma, muitas vezes, banal e mecânica. Fala-se em Nome do Senhor (assim diz o Senhor: eis que Te digo eu, o Senhor), tantas vezes, em tantos fiascos, com conhecidas profetadas, que, agora, e só posso pedir que o Senhor tenha misericórdia de nós.

O julgamento do Senhor começa pela Sua casa. Se estamos livres da condenação por causa do Sangue de Jesus, ninguém pense que escaparemos dos olhos com chamas de Fogo de Jesus, quando nos encontrarem, seja agora, seja em Sua volta. Voltemos ao Senhor!

E o Senhor pergunta: mas que fareis ao fim disto? Penso que a última coisa que queremos é entristecer ao Senhor e ter ao Deus dos Exércitos, que é nosso Pai, como nosso opositor. Vou fazer como o outro profeta, Habacuque; vou subir à torre de vigia e esperar pela misericórdia do meu Senhor, seja da forma como Ele a queira manifestar.

HAJA TRANSFORMAÇÃO NISSO TUDO!
QUE A IGREJA DO SENHOR DESPERTE E CUMPRA OS PROPÓSITO DO SENHOR, A COMEÇAR POR MIM!

Jackeline Sarah
29/03/10

Nenhum comentário: