segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

EGOS INFLADOS

Lembro-me de haver, um dia, participado de uma reunião, com irmãos que adoravam a Deus. Algumas canções após o início da reunião, houve um pequeno silêncio, suficiente para que um irmão, bem no fundo do salão, começasse a entregar uma mensagem em línguas. Compreendi que ele profetizava; embora alguns irmãos continuassem a orar em línguas do outro lado, de modo geral, houve silêncio para ouvir. O pastor, que dirigia as canções de louvor, parou e abaixou a cabeça e ouviu a profecia em línguas. Animei-me e fiquei esperando para ouvir a interpretação, correndo os olhos pelas fileiras de irmãos para ver se percebia quem interpretaria.

Quando o irmão acabou de profetizar em línguas, minha expectativa quanto à interpetação cresceu, mas o dirigente conversou com o tecladista por sinais e recomeçaram a ministrar canções. Ainda fiquei alguns instantes "procurando" pela interpretação, mas ela não veio.


No começo daquela reunião, eu estava sentada, pensando com Deus, quando veio ao meu espírito uma tristeza, meu coração doía muito e uma expressão me veio: egos inflados... Gastei algum tempo intercedendo sobre isso. Quando a interpertação da profecia em línguas não veio, minha tristeza aumentou e pedi perdão ao Espírito. O Senhor não me deu a interpretação da profecia, que era muito longa, mas mostrou-me algo muito forte, com a frase:

"MEU CLAMOR É UM CLAMOR MUDO, PORQUE HÁ UM POVO SURDO, QUE NÃO ATENDE OS MEUS APELOS. CREIAM, SIM! CREIAM, SIM! MAS AVANCEM PARA MIM!"

Naquela ocasião, estávamos com irmãos que acreditam muito em confissão positiva, enfatizam sempre que Deus dá vitória, que a palavra tem poder, enfim, crêem em Deus e, especialmente, naquilo que Ele pode fazer. E, com certeza, Ele pode. Algumas vezes, no entanto, com a ênfase que é dada em alguns aspectos, passamos a olhar somente para eles e, nesse caso, passamos a usar a nosso favor os atributos de Deus (como se pudéssemos!); começamos a aplicar a Palavra de Deus a nosso favor, sem discernir, muitas vezes, a vontade de Deus... como se um versículo aplicado tivesse força em si mesmo ou uma palavra que saísse de nossa boca fosse, sempre, um decreto de Deus. E esquecendo-nos de que Deus trabalha em favor daqueles que nEle confiam... E que confiar significa lançar-se de olhos fechados nos braços do Pai...

É aí que o ego infla. "Porque ... já que eu sou a menina dos olhos de Deus e Ele move até montanhas e reinos por mim, puxa! Como sou importante, não é? Posso usar a meu favor todo esse poder de Deus..." É aí que eu penso me tornar o centro e deixo de ouvir a voz de Deus. É verdade, sim, que sou a menina dos olhos de Deus e é verdade, também, que Ele (re)move montes e reinos por Seus filhos. Mas, não é verdade que eu sou o centro ou que Deus seja obrigado a me atender em tudo. Preciso saber que Deus é implacável em cumprir o Seu Plano imutável de criar para Si filhos que Lhe dêem prazer como Jesus, formando neles uma esposa para o Cordeiro. E que quanto a isso, Ele é terrivelmente zeloso e fará Seu próprio plano Se cumprir. Mas, o Criador não está a meu serviço, simplesmente porque quero ou penso que preciso de algo. Nosso Pai não tem compromisso em fazer acontecer algo que Ele mesmo não tenha nos mandado fazer ou algo que Ele mesmo não queira nos dar. O centro é Jesus. Sempre.

É aí que os egos inflados deixam de ouvir a voz de Deus e o Espírito tem que dizer uma frase absurda como essa: MEU CLAMOR É UM CLAMOR MUDO... Não é que Ele não fale ou não traga direção. É que HÁ UM POVO SURDO... Um povo com os ouvidos ocupados com seus próprios interesses, que só ouve o que quer ouvir... e não atende ao que o Senhor quer dizer... e esta história não começou aqui, não. Quando Isaías viu a Deus, após a morte de Uzias, o Senhor o comissionou e disse:

"Vai e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis. Engorda o coração deste povo e faze-lhe pesados os ouvidos e fecha-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o seu coração, nem se converta e seja sarado." (Isaías 6:9s - grifos meus)

E não pára por aí... é só pensarmos em Jesus, falando em parábolas... e explicando aos discípulos:

Por isso, lhes falo (ao povo) por parábolas; porque eles, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem, nem compreendem. E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, E, vendo, vereis, mas não percebereis. Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado com seus ouvidos, E fecharam seus olhos; Para que não vejam com os olhos E ouçam com os ouvidos E compreendam com o coração E se convertam E eu os cure. (Mateus 6:13ss - grifos meus)

Há mesmo um povo surdo, que não corresponde com o Espírito de Deus. Mas, por que este povo temos que ser nós, os seus filhos? Por que quando deveríamos estar concentrando todas as nossas forças em ouvir a direção do Espírito e seguí-la, ficamos diante do que chamamos de altar aprensentando os nossos próprios interesses e confessando não os nossos pecados, mas que Ele tem que nos atender, porque oramos em nome de Jesus, porque a Bíblia diz que Ele trabalha para nós, porque..., porque..., porque... Por que sempre encontramos os nossos porquês???

É hora de deixarmos o Espírito furar o balão inflado do nosso ego e tirarmos os olhos e ouvidos dos nossos próprios interesses ou dos interesses de quem quer que seja e passar a ter Jesus no centro, de verdade. Não apenas em palavras, mas em toda nossa vida. Não apenas dizer isso nos cultos, mas viver isso, todos os dias, no quarto interior e em todos os quartos exteriores de nossas vidas.

Porque Jesus, também, disse aos discípulos: "Mas, bem-aventurados os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem". É este povo que devemos ser: o povo que ouve e obedece, porque a nós, segundo, são revelados os mistérios do Reino!

Espírito de Jesus, perdoe-me a mim e ao meu povo! Nós temos feito que Seu clamor seja como se fosse o clamor de um mudo, porque não ouvimos, nem correspondemos com Seus apelos. Perdoe-nos, por favor! Derrame-se como graça e súplica sobre nós, constranja-nos, quebrante os nossos corações! Transforme-nos, Senhor, com toda liberdade! Abra os nossos ouvidos, para que possamos ouvir! Que nós, os filhos que o Pai adotou em Jesus, não sejamos o povo surdo, mas aqueles que ouvem a Sua voz e A obedecem... como o próprio Jesus ouvia e obedecia ao Pai... Faze-nos assim, Amado!

Amém.
Jackeline Sarah
jackelinesarah@compromissokandeya.com
Postado, originalmente, em 26/01/09.

Nenhum comentário: